Inteligência Artificial assegura antifraude das empresas

Inteligência Artificial assegura antifraude das empresas

Áreas como compliance ganham mais agilidade com métodos mais seguros e ágeis, graças à tecnologia
Processos de controles internos ou mesmo auditorias comumente se debruçam sobre um montante de dados e informações para garantir o bom andamento de processos, segurança jurídica e confiabilidade das informações, especialmente quando parte desses resultados implica na atuação, interação ou dependência de terceiros. Daí a necessidade de ressaltarmos a importância de um passo anterior a tudo isso: compliance.
Responsável por averiguar e checar informações, entender e mitigar riscos, e aprovar (ou não) potenciais parceiros, fornecedores ou colaboradores, a área de Compliance é rigorosamente estratégica para as companhias. No entanto, tamanha responsabilidade é diretamente proporcional ao volume de documentos e sistemas com os quais os funcionários têm que lidar para realizar esses processos.
Dada essa necessidade e com o intuito de dinamizar essas atividades, a Inteligência Artificial se colocou como uma forte aliada para trazer mais segurança nos processos antifraude, produtividade na análise de documentos, checagem de informações, e, por fim, na cooperação com os departamentos para que fiquem encarregados exclusivamente na tomada de ação em cima do que foi capturado, classificado e analisado pelo sistema.
Aplicações reais
Exemplo disso é o Tagger, produto desenvolvido pela Neuralmind, startup baseada no Parque Científico e Tecnológico da Unicamp. Focada na área de compliance, a tecnologia é capaz de extrair e analisar informações de documentos em poucos segundos, gerando relatórios e analytics para uma visão mais ampla e apurada dos processos. A tecnologia pode ser aplicada, por exemplo, na checagem de informação e cadastro de fornecedores.
Além da agilidade evidente ao se comparar a capacidade da máquina frente à atuação humana, garantia de maior assertividade e segurança dos processos são dois ganhos bastante destacados por quem já atua em parceria com sistemas inteligentes em suas rotinas.
A startup já analisou mais de 30 mil documentos. A vantagem é que: a cada documento novo, a máquina aprende e evolui ainda mais a identificação, classificação e análise.
Há ainda a possibilidade do cruzamento das informações coletadas com bases de dados públicas, para atestar a veracidade das informações. “Com isso, entregamos ainda mais seguridade para os processos”, avalia a CEO da NeuralMind, Patricia Tavares.
Novas oportunidades
Ainda que dados da KPMG indique que 43% das empresas brasileiras não possuam área de compliance, escândalos políticos envolvendo empresas públicas e privadas fizeram endurecer legislações e exigir mais controle das empresas nos últimos anos. A Lei Anticorrupção (12.846, de 2013) é exemplo disso. O que não deixa de ser mais uma oportunidade para que empresas e startups atuem em cooperação.
“A tecnologia, especialmente a Inteligência Artificial, pode ser uma grande aliada nesses contextos. Quando mais difundirmos sua aplicação, maior será a vantagem competitiva das empresas e a garantia de processos estruturados, seguros e ágeis”, finaliza Patricia.