Soluções de Inteligência Artificial ganham força no combate à Covid-19

inteligência artificial

Soluções de Inteligência Artificial ganham força no combate à Covid-19

Desde o início da pandemia, o desenvolvimento de soluções de Inteligência Artificial vem se tornando cada vez mais relevante para o enfrentamento da covid-19 em todo o mundo.

Desde março de 2020, quando o novo coronavírus se espalhou pelo mundo, assistimos a uma corrida científica e tecnológica para combater o vírus. Os conhecimentos acumulados até então, somados aos investimentos direcionados para o enfrentamento da pandemia,  permitiram que o desenvolvimento de soluções se desse de forma muito mais ágil do que em tempos normais, como foi o caso da vacina de RNA mensageiro, somente possível graças a anos de pesquisa anteriores à pandemia. A Inteligência Artificial, com a habilidade de identificar padrões a partir de big data, também já era uma tendência mundial e, neste cenário, se tornou um dos trunfos tecnológicos para lidar com a crise.

A Inteligência Artificial na pandemia de Covid-19

Um dos primeiros exemplos do uso de IA na pandemia foi o da startup canadense BlueDot, que usa um algoritmo para analisar notícias, dados de companhias aéreas e redes de informação sobre doenças a fim de identificar zonas de perigo. A empresa alertou sobre o surto de coronavírus em Wuhan no dia 31 de dezembro de 2019, mais de uma semana antes do primeiro posicionamento da OMS sobre o vírus.

Com foco em agilidade, escalabilidade e precisão, outras soluções de Inteligência Artificial surgiram rapidamente para mitigar os efeitos da pandemia nas mais diversas áreas. Câmeras térmicas foram implantadas em aeroportos para detectar automaticamente passageiros com febre. Chatbots com processamento de linguagem natural ajudaram a fazer triagens e evitar a sobrecarga nos sistemas de saúde. E, para aplacar também a epidemia de informação, empresas como Google e Facebook utilizaram Inteligência Artificial a fim de combater fake news. 

Porém, tratando-se de uma crise sanitária, algumas das soluções de maior impacto são aquelas aplicadas diretamente no diagnóstico e tratamento da Covid-19. A seguir, falaremos mais sobre algumas delas.

Usos de Inteligência Artificial no tratamento e diagnóstico de Covid-19

Quando a Covid-19 se espalhou pelos países, a comunidade de pesquisadores de machine learning e ciências biológicas da faculdade de computação do MIT viu que a crise de saúde pública oferecia amplas oportunidades para alavancar tecnologias de IA, com o objetivo de acelerar a busca por tratamentos e medicamentos eficazes no tratamento da doença.

Os pesquisadores redirecionaram seus trabalhos a fim de desenvolver soluções aproveitando seu conhecimento e experiência coletiva. Isso levou ao lançamento do AI Cures, uma iniciativa dedicada ao desenvolvimento de métodos de aprendizado de máquina para encontrar moléculas antivirais promissoras contra o coronavírus e outros patógenos emergentes.

Nos últimos meses, as tecnologias desenvolvidas envolvem desde modelos epidemiológicos criados usando dados clínicos para prever o risco de infecção e morte em pacientes individuais, um dispositivo sem fio que permite aos médicos monitorar os pacientes de Covid-19 à distância, e até um modelo de aprendizado de máquina que identifica os pacientes em risco de intubação antes que seus quadros se agravem.

Embora a IA tenha se provado uma ferramenta eficaz na área de saúde, os modelos requerem um grande volume de dados para ter precisão nos resultados, e isso é desafiador considerando que a Covid-19 ainda é uma doença nova. Por isso, um objetivo importante para qualquer pesquisa na área é garantir a geração e coleta de dados estruturados, a fim de treinar modelos de aprendizado de máquina.

Soluções de Inteligência Artificial desenvolvidas no Brasil

No Brasil, a pandemia impulsionou parcerias entre empresas de tecnologia do setor privado, grupos de pesquisa de grandes universidades públicas e o governo. Em julho, o IdeiaGov, hub de inovação que traz soluções de mercado e da sociedade para enfrentar os desafios do Governo do Estado de São Paulo, abriu uma chamada para soluções tecnológicas que usassem algoritmos de inteligência artificial, capazes de ajudar médicos no diagnóstico de coronavírus a partir de exames de raio-x e tomografia computadorizada. Três startups foram selecionadas para validarem suas propostas e terem suas soluções adotadas pelo estado.

Uma delas é a NeuralMind, startup brasileira especializada em ferramentas inteligentes para os negócios, que desenvolveu, em parceria com a Unicamp, uma solução baseada em Inteligência Artificial para o diagnóstico precoce da covid-19 por meio de exames de raio-x e tomografias computadorizadas. A tecnologia é capaz de identificar a presença da doença a partir dos padrões das imagens captadas e faz uma estimativa da porção do pulmão que está acometido de lesões associadas à doença.

Conforme explica Patricia Tavares, CEO e fundadora da NeuralMind, a solução possibilita o diagnóstico precoce e ajuda a prever o futuro desenvolvimento da doença nos pacientes. “Em muitas regiões brasileiras, há dificuldade de realização dos testes RT-PCR, pela carência de laboratórios, logística e profissionais para processar este tipo de exame, além da demora que pode levar para se obter um resultado – o que pode ser crítico em muitos casos”, justifica. Por outro lado, ela lembra que os equipamentos de raios-X estão presentes em grande parte das regiões do país, incluindo as mais remotas, o que garante a acessibilidade da ferramenta desenvolvida pela NeuralMind.

Atualmente, a solução está sendo aprimorada com o apoio do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, entregando diagnóstico de raios-X em menos de 1 minuto e de tomografia em menos de 5 minutos. Um exemplo claro de que o uso de tecnologia de ponta em Inteligência Artificial pode ajudar a criar soluções ainda mais velozes e escaláveis do que o próprio vírus, uma estratégia essencial no combate à pandemia.