Blog

Inteligência artificial e o mercado financeiro: auxílio na otimização de processos e no gerenciamento de riscos

Análise avançada de dados, processamento de textos e imagens, aprendizado de máquina, visão computacional – todas estas capacidades proporcionadas pela Inteligência Artificial (IA) vem se tornando uma realidade no Brasil e no mundo. Com tanta tecnologia, a Inteligência Artificial agiliza e otimiza processos e tarefas que poderiam levar dias para serem concretizadas – e que agora podem ser entregues em segundos, o que pode beneficiar, especialmente, o mercado financeiro.

Com a Inteligência Artificial e, especificamente, a tecnologia Deep Learning (DL), bancos e outra instituições financeiras estão atentos para entrar – e permanecer – neste cenário tecnológico. Hoje, já existem plataformas de software cognitivo focadas em atender as demandas de instituições financeiras. Exemplo notável abarca as tecnologias da NVIDIA, que detém quase 90% do mercado de processadores utilizados especificamente em atividades de treinamento voltadas à Deep Learning. Dentre os principais objetivos de se utilizar a Inteligência Artificial no mercado financeiro está a possível melhora de funcionalidades e o aumento de ofertas de acordo com as reais necessidades dos clientes.  Nesse sentido, a Inteligência Artificial e a tecnologia de computação cognitiva entram como poderosas substitutas de abordagens antigas, como as de modelagem estatística.

LEIA MAIS:
Inteligência Artificial reduz erros e custos na área jurídica
Inteligência Artifical e análise de emoções: como as empresas podem se beneficiar desta tecnologia?
Empresas brasileiras precisam avançar em Deep Learning

Além de beneficiar os consumidores, a Inteligência Artificial também traz vantagens aos próprios bancos. Ao conseguir prever a resolução de problemas complexos em pouco tempo, essas instituições acabam tendo nítidos ganhos, como aumento de vendas e economia em despesas.

A tecnologia também permite auxiliar no gerenciamento de risco no crédito, já que consegue prever, com precisão e por meio de uma análise detalhada de dados, o perfil de clientes mais propensos a cancelar o serviço ou ter inadimplência em empréstimos, além de detectar possíveis padrões de transações fraudulentas.

Outro benefício da Inteligência Artificial no mercado financeiro envolve a escolha de possíveis ações e investimentos favoráveis em determinado período, também pelo poder de detectar padrões. É o que já oferece a I Know First, empresa de tecnologia financeira que realiza predições diárias para investimentos no mercado financeiro com sistemas que envolvem algoritmos baseados em Deep Learning.

Além disso, até o momento, grandes empresas já têm a Inteligência Artificial como uma realidade na otimização de suas atividades financeiras. É o caso do Bradesco, que adquiriu o maior projeto mundial do IBM Watson, solução de Inteligência Artificial da IBM, além da Mastercard e da WorldPlay, que estão na vanguarda da revolução proporcionada pela Deep Learning e a utilizam na detecção de padrões de transações fraudulentas. Com tantas utilidades, não restam dúvidas de que a Inteligência Artificial  deve, cada vez mais, fazer parte dos processos rotineiros de bancos e demais instituições.

Fontes:Computer worldConvergencia Digital,  Data Science Academy

Nenhum comentário

Postar comentário

treze + 16 =